Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedra do Porto

História e Património do Concelho da Nazaré

Pedra do Porto

História e Património do Concelho da Nazaré

Castrum Lora: Uma análise ao texto do cruzado (entre o Vouga e Peniche), 2014, pp.91 a 126

Carlos Fidalgo, 17.10.21

Scanner_20211017 (8).jpg

Nota Prévia

 

A reflexão que o Prof. Jorge de Alarcão nos dá a conhecer sobre a eventual existência de um Castro denominado Lora, nas cercanias da laguna da Pederneira revela-se de extrema importância, entre outros predicados, para o conhecimento da ocupação humana, durante o processo da reconquista cristã nesta zona da Estremadura Litoral.
Baseando a sua reflexão no relato de Osberno de Bawdsey , Jorge de Alarcão levanta, entre outras questões, a possibilidade do referido castro ter sido um castelo ou povoação nas margens desse rio, [Alcoa] ou na laguna da Pederneira, em que o rio desaguava?
É com base nesta e noutras questões que o autor vai levantando ao longo da sua reflexão, que se justifica uma análise às possibilidades avançadas por Jorge Alarcão na relação com o conteúdo literário/descritivo do relato do cruzado, em particular entre o Vouga e Peniche.

Apresenta-se, desta forma, o nosso humilde contributo, esperando que o mesmo possa contribuir para a continuidade do debate sobre o enigmático relato do cruzado inglês sobre a Conquista de Lisboa aos Mouros, em particular a descrição do litoral, entre o Vouga e Peniche.

 

 

 

 

Subsídios para a História Marítima do Concelho da Nazaré: Naufrágios e Náufragos (Séculos XVII a XIX)

Carlos Fidalgo, 13.10.21

CAPA_L5 (2).jpg

Prefácio: Professor Doutor, João Luís Cardoso

 

Este estudo, baseado nas notíciaa de naufrágios existentes nos livros de registo de óbito da Freguesia da Pederneira, tem como objectivo dar a conhecer esses momentos trágicos, os locais onde ocorreram e, por fim, os nomes de todos aqueles que soçobraram nessa luta intemporal com o mar.

No entanto, essa cronologia de acontecimentos não poderia ser apresentada sem um enquadramento territorial, social, económico e mesmo eclesiástico.

Sobre tudo isso, no longínquo ano de 1922, haveria o Dr. Possidónio Mateus Laranjo Coelho de contribuir com informação desconhecida à data sobre a comunidade piscatória da Nazaré, remontando o seu estudo aos primórdios da nacionalidade. 

Pela importância que o mesmo estudo teve, e continua a ter, para a história da Nazaré, dedicamos uma merecida abordagem a tão insígne personalidade da cultura portuguesa.

Mais do que tudo, este estudo pretende homenagear todos os pescadores e mareantes que navegaram e navegam no mar traiçoeiro.

 

Pág. 1/7